terça-feira, julho 18, 2006

7 - Histórias verdadeiras

Há alturas em que ela sente a necessidade de ouvir música num tom que seja mais elevado que a sua voz, de tal maneira que, quando falar, não se oiça. Assim, conta segredos. Desabafa e conta histórias para quem quiser ouvir. Não são histórias de príncipes e princesas, cavalos e dragões, são histórias verdadeiras. Histórias de amores e desamores, de momentos de glória e outros de tédio e melancolia. Histórias verdadeiras são as histórias da sua vida.
A música é o seu maior trunfo para conseguir vencer na vida. A música conhece-a como ninguém, sabe de todos os seus segredos e, assim, sempre que ela canta não há uma única palavra que seja dita que não tenha um significado, uma pequena história por contar. Todas as palavras são ricas, não só em significados, mas também em sentimentos; expressam desejos, ordens e valores; expressam a sensação do momento, o estado de espírito em que se está envolvido.
Ela ama as palavras. Respeita-as como pequenos grandes tesouros. E, sempre que a tristeza apertar, lá vai ela aumentar o som da aparelhagem e, assim, soltar tudo o que há em si. Remover a dor e, por conseguinte, substitui-la por uma sensação de bem-estar. Às vezes, ela quer esquecer tudo aquilo que a faz ficar presa ao passado. Às vezes, ela só se quer sentir livre: livre de amores, livre do medo... Livre de si e das suas histórias verdadeiras, mas sempre presa à música.

31 comentários:

  1. “Words irritate. Gestures mislead. Emotions dissolve. Only sounds speak a language that might be understood. If one opens the heart, would there be someone receptive enough? But who is listening? Who is able to feel it? Often I do ask myself, where does a heartbeat identical to mine exist? And the attempt of an answer is out there, on the other end of my own sound”
    (Gidon Kremer) http://www.kremerata-baltica.com/biokremer.htm

    ResponderEliminar
  2. tal como ela eu amo as palavras.
    beijos

    ResponderEliminar
  3. Se ela ama as palavras, nunca estará só. Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. DIAFRAGMA, ;-)*

    Mily,
    obrigada :-)

    Velutha,
    ainda bem ;)

    Ana,
    tens toda a razão!! A solidão é algo muito mais complexo...
    Beijo :-)*

    ResponderEliminar
  5. Amar as palavras:
    Não sei quem disse, mas alguém disse, que tão pobres somos, que as mesmas palavras nos servem para dizer a verdade e a mentira!

    A música é universal. O volume pode ajudar à alienação, embora possa provocar danos colaterais...

    :)
    É só "verbo" que emprego.
    Um beijo verdadeiro.

    ResponderEliminar
  6. Amar as palavras. O que de mais nobre podemos querer? Quem com elas trabalha, ama-as e pronto. Assim, simplesmente. Bjs

    ResponderEliminar
  7. Gostei muito desta ideia, soltar a musica de forma a não me ouvir e ai poder "falar calada".
    O teu texto está deveras bonito

    ResponderEliminar
  8. Enquanto ela ouvir música e soltar as palavras que sente, sentir-se-á sempre livre... embora, por vezes, não o saiba.

    ResponderEliminar
  9. Gostei muito do teu blog e dos teus textos.
    Beijos,
    Miguel

    ResponderEliminar
  10. A música, apesar de tudo não colmata a solidão!...
    Mas a pior das solidões é aquela que se sente apesar de acompanhados...


    Abraço-te...

    ResponderEliminar
  11. Por falar em cores, hoje sinto-me... cinzento!

    ;-)

    ResponderEliminar
  12. Quem nunca teve a necessidade de por a música o mais alto que suporta?...
    Bjs
    Eugénio Rodrigues

    ResponderEliminar
  13. Existe sempre uma música certa para se sobrepor à tristeza... ou para a acentuar. **

    ResponderEliminar
  14. As histórias de principes e princesas, cavalos e dragões também são verdadeiras. No nosso coração.

    Beijos

    ResponderEliminar
  15. Madalena
    Um dos nomes mais bonitos que conheço. e os teus posts são lindos. beijito:)*

    ResponderEliminar
  16. A música inspira-nos a viver bailando. vim fazer uma visita e gostei do seu post.

    ResponderEliminar
  17. LOL... até parece que me conheces, ou então escrevestes sobre alguem feito pelo mesmo molde...
    Aumenta o volume!!!! Ao máximo e ainda mais alto possivel, e então é que canto, é sinto a musica dentro da minha alma e o mundo passa a girar á volta da minha cançao!
    Obrigada... Adorei mesmo este texto!

    ResponderEliminar
  18. as tuas cores ajudaram-me a combater a solidão, as tuas palavras deram-me esperança no futuro, a tua amizade está no meu coração.
    beijos

    ResponderEliminar
  19. Madalena
    Sei bem do que falas...
    A musica também é a minha eterna companheira em todos os momentos e emoções!!
    É ela que me levanta do chão quando esmoreço, que me enxuga as lágrimas, que festeja comigo...
    Costumo pensar que se alguma vez perdesse a audição eu nunca mais seria a mesma... mas depois penso que já tenho tanta musica dentro de mim que continuaria a ouvi-la, sempre! :)
    Beijos

    ResponderEliminar
  20. pôr o som tao alto q n m csg ouvir e assim desabafar, as magoas, os desamores, a tristeza... esvaziar-me para n m sentir só... bj

    ResponderEliminar
  21. Nunca alguem que ama as palavras estara so:) bonito texto...bjs

    ResponderEliminar
  22. A musica é uma fonte de cura para muitas dores(incluindo a solidão)
    É um complemento vitaminico...
    Tranquilizante...
    Libertador...
    O baú para onde se despeja a raiva...
    Vamos todos ouvir muita musica e desabafar com os tons que ela nos envolve...
    *

    ResponderEliminar
  23. A música é o alimento da alma.

    ResponderEliminar
  24. A música é linda, só há que saber entende-la! :)

    Obrigada pelos comentários, beijos a todos :-)**

    ResponderEliminar
  25. ora aqui estou eu retratada no teu post :)

    ResponderEliminar
  26. Anónimo7/5/10 22:39

    Para quer brigar se o futuro é so amar!! lopesgu@hotmail.com

    ResponderEliminar
  27. "As palavras irritam. Gestos enganar. Emoções dissolver. Apenas os sons falam uma língua que possa ser compreendido. Se alguém abre o coração, haveria alguém suficientemente receptivo? Mas quem está escutando? Quem é capaz de sentir isso? Muitas vezes eu me pergunto, onde faz um batimento cardíaco idêntico ao meu existir? E a tentativa de uma resposta está lá fora, do outro lado do meu próprio som "

    ResponderEliminar